sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Há precisamente uma semana

Há precisamente uma semana, ali estava eu, sentada naquela poltrona, que já conhecia quase todo o meu corpo e todos os meus movimentos nervosos e ansiosos. Há precisamente uma semana, ali estava eu, tentando transparecer uma calmia inexistente, uma maturidade fictícia, uma postura adulta mas tão, tão tímida.
Há uma semana, as pessoas passavam por mim naquela sala, uma atrás da outra, sem que eu lhes olhasse para as suas feições. Uma por outra lá deixava o seu perfume no ar, mas sem que isso me fizesse levantar os olhos do chão. A dor que sentia no peito, há precisamente uma semana, era tão forte, que me deixava afundar naquela poltrona, assim, quietinha, a ver se a dor passava ou amornava. Uma dor inexplicável, um aperto sentido e tão profundo. O meu próprio silêncio era muitas vezes quebrado por um inspirar mais longo. Mas, assim me ficava, precisamente há uma semana.
E de repente, sinto alguém se aproximar. Não conhecia a silhueta, nem o tom de voz. "Que tristeza lhe vejo. Que dor tem. Há quanto tempo não chora?", e na minha voz arrastada, respondi "Demasiado!". Deu-me a mão, e eu aceitei-a, e lentamente levantei-me daquela poltrona, como se a ela o meu corpo já pertencesse. E mais lentamente, abracei aquela figura tão estranha para mim. E chorei. Chorei como havia anos que não o fazia. Após alguns minutos, limpou-me as lágrimas e passou a sua mão quente pelo meu rosto.
A pessoa que nunca tinha visto, que não conhecia, foi naquele momento, o meu desabafo. "Obrigada", disse-lhe e, tal como em silêncio se aproximou, assim se afastou. E eu, tornei-me a sentar na poltrona, agora num corpo novo, num sentir renovado, numa calmia sentida. Há precisamente uma semana.

11 comentários:

Pi disse...

sim, faz bem chorar....e assumirmos que também somos frágeis, que também precisamos de um ombro....quando por norma somos nós que o damos aos outros, e os outros nos apelidam de fortes....

um beijo,

Miss Strawberry disse...

Chorar é bom. Faz-nos bem deitar cá para fora tudo o que nos angustia... E, às vezes, é bem mais fácil fazê-lo junto daqueles que não conhecemos...
Gostei da partilha...

Vício disse...

parece surreal... mas será que, apesar de tudo, não estarias a sofrer por antecipação?

najla disse...

Pi, sim...a imagem de que somos muito fortes, podemos com o mundo é muito injusta e de certa forma, muito pesada.

Miss Strawberry, e foi tão fácil mesmo. Junto de quem conhecemos não podemos desmorenar...pelo menos por fora.

Vício, naquele momento não pensei muito nisso. Mas esta semana este acontecimento não me tem saído da cabeça. E realmente este, digamos, ataque de choro foi após tudo! Já quando tudo estava tranquilo, quando tudo estava bem.
E sim, desta vez sofri por antecipação, mas por norma não choro. Apenas aguardo em expectativa.

Raio-de-Luar disse...

Fiquei sem palavras.
Muitas vezes não conseguimos extravasar a dor por palavras e desabafos. Muitas vezs é só mesmo assim, com lágrimas, que conseguimos aliviar a dor. Compreendo, e sei o que é, custar chorar ao pé de quem conhecemos, até porque acham sempre que somos fortes, que aguentamos tudo. às vezes é muito mais fácil chorar o ombro de quem não nos conhece, porque não nos vai julgar nem dizer nada. Apareceu-te assim uma espécie de anjo, que te deu a mão, deixou-te chorar, limpou-te as lágrimas e desapareceu quando já estavas de alma lavada! Ainda bem que assim foi...
Bjinhos e que tudo corra bem!

najla disse...

Raio-de-Luar, todo o sentimento do meu texto se resume nas tuas palavras.

entremares disse...

Fiquei a pensar... muito, em tudo o que escreveste. Seria um anjo, como alguém sugeriu? Serias tu própria, disfarçada de samaritana, dando forças a ti mesma? Seria simplesmente um estranho que passou?

É estranha a vida e todos os virar-de-esquina que ela contêm. Mas acredito que por um breve momento, experimentaste algo de mágico e que te tocou. Foi a dor? Foi só a lágrima que era necessário redescobrir?

Há precisamente uma semana... armazenaste uma memória preciosa no baú das tuas recordações. E só posso dizer "obrigado" por a teres querido partilhar connosco...

Beijos.
Rolando

najla disse...

Rolando, como já referi noutro comentário, tenho levado esta semana toda a pensar no que aconteceu. E quando o faço, sinto uma grande tranquilidade, não sei se foi pelo momento quase de descompressão se como já alguns já escreveram, se foi uma mulher-anjo que por ali passou...o que é certo, é que me fez muito, muito bem.
Um beijo

WernerHS disse...

Concordo com todos os comentários...é realmente mais fácil chorar sem que nionguém nos veja e deve ter sido um anjo que veio ao teu socorro...mas todos falamos acerca do "chorar" como se fosse isso uma manifestação de fraqueza, como se quem chora não suporta nos ombros os pesos que a vida e o mundo lhe oferece. E com isso não posso concordar: chorar é mostrar que somos humanos e que estamos vivos - até por isso essa é a nossa primeira manifestação quando somos paridos.
Só quem já morreu, ao menos por dentro, não chora!!!
Najla, aproveita bem essa alma lavada e chora mais vezes, nem que para isso tenhas que te trancar no banheiro e chorar bem baixinho!!!
Abraço...

najla disse...

Obrigada, Werner, pelo conselho, mas eu não choro não é para mostrar aos outros a minha fortaleza. Por vezes, temos um poder de nos sobrecarregarmos de problemas e resoluções, de nós e laços, de facilidades e dificuldades, durante anos a fio. Mas existe um dia....como há precisamente uma semana!
Beijo

Paulo Lontro disse...

Definitivamente, um anjo!
O teu anjo, deu-te uma mão e voltou para a vigia...

(esta é uma boa versão... reconfortante, pelo menos...)