quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Um novo dia

O relógio do carro marca 18h45. Estou parada frente a casa, dentro do veículo, sem saber muito bem se hei-de sair ou se me deixarei ficar e gozar um pouco daquele silêncio. O rádio, a minha única companhia nas viagens, estava desligado. O dia fora particularmente difícil. Muito difícil. Após uma jornada de trabalho, uma reunião imprevista. E perante o desenrolar da mesma fui-me perguntando sobre as qualidades de um bom líder. E, dentro dos meus valores e da minha ética, sempre estiveram bem definidas. E quando, em plena reunião, após um dia de trabalho particularmente difícil, somos maltratados, humilhados e desrespeitados, toda a minha noção de líder se desvaneceu. Para além de me parecer um momento surrealista, sabia que não podia ficar calada. E não fiquei. Foi uma luta renhida e dolorosa. Até porque quando não se luta com golpes baixos e sujos, sai-se sempre a perder.
E neste momento, dentro do meu carro, questionava-me vezes sem conta a origem de tudo aquilo, ainda sem perceber muito bem a sua essência. Só sabia uma coisa, apesar das feridas e da mágoa que me fizera aquele que eu sempre respeitei enquanto líder, eu conseguia sair de coração limpo e respirar com tranquilidade. Porque afinal, sem qualquer culpa, tinha defendido um grupo. O meu grupo. O grupo que eu todos os dias via e que era uma extensão da minha família. Um grupo que partilhava todos os meus momentos.
O silêncio parecia dar-me forças para sair. Talvez ficar na rua, sentir o vento sul na face, para me dar alento e coragem. Amanhã seria novo dia e as feridas teriam de estar saradas. Apesar de me sentir fraca, a luta justa tornara-me forte. Porque afinal "não é a injustiça em si mesmo que nos fere, é o sermos vítimas dela"...e amanhã será novo dia!

citação de Pierre Nicole

7 comentários:

vício disse...

um novo dia em que, depois de "lamber" as feridas, podes fazer-te acompanhar de novas tecnicas de defesa e (quem sabe?) de ataque...
só não podes deixar que te derrubem!

maria disse...

Nunca deixes que te derrubem, porque és uma MULHER e as mulheres são verdadeiras forças da natureza.
Sei do que falas, pois tambem tenho um bom grupo comigo para "defender".
Um beijo cheio de força natural das Beiras..
MARIA

WernerHS disse...

Querida Najla,

Nesses dias assim particularmente difíceis, costumo cantar para mim mesmo uma música que assim nos diz: "...tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo..."!!!

Abraço,

Werner

Nelson Soares disse...

Acho de muito bom carácter, grande maturidade e personalidade esse teu gesto. Nunca te deixes vencer e muito menos deixes que calquem aquilo em que acreditas...




Stay Well

NI disse...

entendo o comentário que fizeste no meu post porque hoje passei por uma experiência semelhante.

E, curiosamente, tive a mesma postura que tu. Porque há algo de que não prescindo, em qualquer situação, da minha honestidade intelectual e, em caso algum, admito que a coloquem em causa. Preso muito a minha idoneidade profissonal porque, por vezes, é a única coisa que nos resta.

Beijo

NI disse...

Só agora é que reparei que dei um erro de palmatória. "Prezo".

Bjs

Nota - espero que estejas mais bem disposta.

Nikky disse...

Não pode ter acontecido o que eu estou a pensar... Seja como for, sabes que é como se me ofendessem a mim... =)
Beijinhos